Postagens populares

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

“Por que não me ufano”, ou, Quando chega a chuva, os governantes evaporam



Logo de cara antecipo ao leitor que a frase-título está entre aspas porque não é minha. Seu autor é o jornalista e escritor Daniel Piza, que atualmente escreve no Estadão e tem uma coluna dominical no jornal cujo um dos intertítulos é: por que não me ufano, que por sua vez tem outra matriz. Mas vamos ao que interessa. Ufano, ufanismo. Do Aurélio: Ufanismo. [De ufano, do verbo ufanar, + ismo; por alusão ao livro Por que não ufano por meu país, do Conde Afonso Celso] S.m. Bras. Atitude, posição ou sentimentos dos que, influenciados pelo potencial das riquezas brasileiras, pelas belezas naturais do país, etc., dele se vangloriam, desmedidamente. Ou seja, um nacionalismo sem propósito.
Nestes últimos dias, os últimos de 2009 e os primeiros de 2010, uma onda prá lá de ufanista, de um nacionalismo sem aderência à realidade, invadiu os intervalos comerciais da TV com propaganda institucional de empresas privadas ou públicas ou dos próprios governos em suas três instâncias (municipal, estadual e federal). Os personagens destes comerciais agora começam a dizer, via rostinhos alegres e corados, que o Brasil é o país do presente... presente de grego, como o cavalo de Troia. Presente para as elites que vão lucrar com o investimento que o Estado será obrigado a fazer em infra-estrutura para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas, e que não necessariamente será revertido em prol do povo. Vejam o trem-bala, por exemplo, já foram veiculadas matérias jornalísticas divulgando que o custo da passagem mais barata, somente de ida, pode chegar a R$ 150,00 em valores de hoje.
Em momentos de calamidade e perda absurdamente desnecessária de vidas, como infelizmente tem-se visto, os governantes somem. Sérgio Cabral, do Rio, demorou dois dias para aparecer, Serra por São Paulo (e possível candidato à presidência da República) demorou três, Kassab – o fantoche revolto do PSDB, ainda não apareceu. Lula, só se vê pelas fotos tomando banho de mar. Nenhum depoimento mais contundente sobre o apoio para reconstruir a vida que as pessoas de todas as áreas atingidas precisam ter em dinheiro vivo e não em palavras que fogem com o vento. As catástrofes se acumulam e o interessante é que apesar de alguns internautas insanos, as pessoas começam a denunciar a ausência de obras que poderiam evitar boa parte das tragédias que ocorreram.
O descalabro é exatamente este: quanto mais há imagens exaltando o amor à pátria, mais os governantes evaporam quando acontecem as tragédias. Se aparecem, são cenas hollywoodianas, em helicópteros, em balsas. Mas o povo quando tem algum apoio logístico, são galochas, para não contrair qualquer doença ou ser fisgado por qualquer coisa, literalmente qualquer coisa, que possa existir no meio da lama, da água parada, e às vezes, da correnteza. Agora já nada dizem sobre o Jardim Pantanal, na cabeceira do Rio Tietê, na zona Leste da capital. Assim, é nossa imprensa (forjada junto com o capitalismo) ela também vive de lucro. Aqui o lucro é notícia mais nefasta. O Jardim do Pantanal, em que pese toda a destruição, só teve uma morte. Então, o lucro vem de onde há mais urubu sobrevoando. É triste, nojento, mas é assim. Basta observar a cobertura da imprensa. Enquanto isso, também vamos sendo forjados, numa poesia de ferro e fogo, para assistirmos repetidamente a cenas brutais. Até nos embrutecermos.
Por isso, por enquanto, mesmo com toda a crítica a cobertura da imprensa que explora à exaustão nossa compaixão pelos dramas de todos que perderam alguém nestas novas ondas pluviais, é impossível não se emocionar com os depoimentos. É uma catarse que ao contrário de expurgar nossos pequenos dramas, quer trazê-los à tona gerando uma culpa, uma espécie de agradecimento pela vida que se tem. Algo como: estou aqui, poderia estar lá com amigos e parentes e já ter sido enterrada. Na verdade, esse não deveria ser o nosso sentimento, compaixão não é culpa nem alívio. E também não é forma de agradecimento. Agora é hora de cobrar. Se há áreas de riscos elas não passaram a existir nos dias finais de 2009. Pessoas não constroem casas onde imaginam passar toda a sua vida e onde investem seu parco salário para verem chuvas torrenciais arrastarem tudo. Em 5 de janeiro, a imprensa divulgou um decreto do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, de junho de 2008, autorizando a construção de moradias nas encostas. É preciso apurar os fatos, é verdade. Mas é pouco provável que alguém tenha sido alertado sobre os riscos.
Também de São Luís do Paraitinga, dizem os estudiosos: berço do samba, interior de São Paulo, um internauta, no site do Estadão, cobrou a ausência um piscinão capaz de minimizar os estragos da cheia do rio. Mais mortes, mais destruição, mais inevitáveis lágrimas. São histórias de vidas, como as nossas, cheias de projetos que se esvaem num instante. É um corte abrupto para o qual não somos e não estamos preparados.
Antes da tragédia vinda com as chuvas, o assunto da imprensa era o caso Sean. Ora, faça-me o favor, isso nem seria assunto. O que qualquer um tem a ver com a história de uma criança que perdeu a mãe e precisa voltar a estar com o pai. Há alguma polêmica sobre isso? Nenhuma. Pais separados, mãe que fugiu com o filho e se casou novamente. Mãe morre e pai recupera o filho, que nunca abandonou. Não há polêmica, há falta de assunto. Novamente, a exploração aqui sentimentalóide de um caso isolado que só diz respeito aos envolvidos. Muito diferente deste descaso nacional, que não tende a se resolver com o fiasco que foi a Conferência de Copenhague, na Dinamarca. Para o capitalismo, a alegria de novas construções e novos investimentos. Para as pessoas reais, humanas, sobram apenas a dor e o inevitável recomeço.
Feliz 2010! O nosso recomeço metafórico. É isso.
Gislene Bosnich

2 comentários:

Anônimo disse...

Agora a culpa será de Cabral, é claro. Mas a realidade é que foi uma fatalidade e se Cabral não apareceu no primeiro momento, ele teve um bom motivo. Afinal, político nenhum perderia essa oportunidade.

Anônimo disse...

eu acho que você deveria dar uma lida nesses livros que estão disponíveis no site :
www.coragemesaber.g3wshop.com
os livros são muito bons e falam sobre a democracia e seu condenamento ao fracasso...os pensamentos são bem parecidos com o seu...

Contra a barbárie

Público-alvo: adolescentes
Motivar, impulsionar, levar à reflexão, levar à transformação consciente, coletivo sem anular o indivíduo.
O blog está disposto da seguinte maneira. Na coluna à esquerda estão disponíveis textos gerais, alinhados por série.
Também há slides de fotos de espaços culturais registradas por mim e sites sobre educação e saúde.
Já na coluna central estão as postagens. Postagens são mensagens que escrevo e envio sobre algum assunto atual e não necessariamente relacionado ao que estamos estudando. Todas as postagens podem ser comentadas, basta clicar em comentários. Aí você escreve sua opinião.
As postagens antigas estão alinhadas na coluna da esquerda. Por exemplo, o blog começou dia 30 de abril de 2008. Basta ir até arquivo do blog e procurar o mês e a data.
Voltando... na coluna central também há vários links que informam sobre possibilidade de consulta para estudo. São sites idôneos de entidades, em geral, públicas ou reconhecidas pela seriedade. Também há outro conjunto de links que agrupam espaço culturais.
Para os professores, o site dispõe de um link (sala dos professores) com textos sobre educação veiculados na mídia eletrônica, e também um canal de contato; o e-mail: contraabarbarie@gmail.com

Gislene Bosnich

Joe Sacco: o quadrinista com veia de historiador

(Restrito aos estudantes da EMEF Jackson de Figueiredo. Qual a programação de TV a que você assiste? (clique em apenas uma alternativa)

Simpsons - Bart e o Transtorno do Déficit de Atenção

Enquanto é possível... aproveite a vida.

A verdadeira história da bulímina e da anorexia

Gruipe Suína - Animação instrutiva

Melhores imagens (Destinado aos alunos)

Se você gosta de fotografar a cidade de São Paulo, envie sua foto para contraabarbarie@gmail.com ; ela pode figurar no blog.
Não valem imagens de pessoas com close no rosto. Mas se for multidão, tudo bem. A idéia é divulgar a cidade e uma forma diferenciada de enxergá-la. Procure inovar os ângulos de ver São Paulo.
Participe!
Gislene Bosnich

Concurso para os alunos

Concurso para os alunos
Qual o nome desta famosa praça? E qual famoso episódio teve início nela? (envie um e-mail contendo a resposta para contraabarbarie@blogspot.com)

Classe Média - Max Gonzaga e Banda Marginal (Leia postagem do dia 20 de julho)

Loading...

Seguidores

O Analfabeto Político - Bertolt Brecht

O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, a criança abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo.
Nada é impossível de Mudar. Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual. Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar.
Privatizado. Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar. É da empresa privada o seu passo em frente, seu pão e seu salário. E agora não contente querem privatizar o conhecimento, a sabedoria, o pensamento, que só à humanidade pertence.

Uma chance à Humanidade

Ser trabalhador nunca foi fácil. Ser mulher trabalhadora então ainda é mais complicado.
Este blog é uma maneira de não desistir de procurar formar trabalhadores críticos e que vão buscar transformar este mundo numa sociedade sem classes, sem exploração em que cada ser humano possa desempenhar o que desejar sem que isso signifique um crime.
Gislene Bosnich

Visitante