Postagens populares

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

4 bilhões montadoras X 10 milhões vítimas das enchentes

(foto do Rio Paraitinga)

Isso mesmo. Esses são os valores que o governador de São Paulo, José Serra vai destinar às vítimas das enchentes. É um valor ridículo. Já se sabe que só São Luiz do Paraitinga precisa de 100 milhões de reais para se recuperar. Mas o placar é mesmo contraditório. Afinal, no final de 2008, na crista da crise, em outubro, Serra doou 4 bilhões às montadoras do ABC Paulista, que, pobrezinhas, poderiam ter dificuldades. Lula não se fez de rogado também e foi quem puxou o cordão de doações. A contrapartida já é conhecida: demissões e vendas absurdas de veículos, recordes fantásticos, empurradas pela isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). Mais automóveis, mais poluição, mais gasto com saúde pública.
É uma falta de vergonha na cara que ninguém da grande imprensa ainda questionou. Vidas, patrimônio histórico, infra-estrutura vão literalmente por água abaixo e o governo oferece uma gorjeta para remendar a parede que ficou em pé.. Mas o governador anunciou ontem, pela TV, em uma de suas caravanas venturosas por São Luiz que vai construir casinhas da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano). (A assessoria de imprensa deve ter dito que pegavam mal não comparecer ao local do crime, então, agora, todo dia o governador aparece) Quem é adulto sabe a dimensão destas casas. São minúsculas e não substituem o esforço que cada um destes desabrigados teve para construir a sua própria ao longo de anos. Parece que basta uma casa nova e pequena, que vai levar uma nova vida para ser paga, para compensar todas as perdas. Todo o sofrimento é minimizado ou mesmo desconsiderado em troca de favores como dormir nas quadras das escolas cujos espaços existem apenas em função das férias escolares. Se a tragédia fosse em outubro onde tais pessoas seriam alojadas. É um improviso secular.
Como o rio subiu mais de 10 metros ninguém pode dizer que as casas estavam em região de risco nem que a ponte de Agudos, município do Rio Grande do Sul ou a de Bofete, no interior de São Paulo, não foram construídas adequadamente. Ocorre que com todo dinheiro de impostos que pagamos, e somos nós que o pagamos, não há nem construção nem manutenção dos equipamentos públicos. É este o verdadeiro tema do debate. Ao invés de ficarmos discutindo se a Pousada Sankay tinha ou não licença ambiental. Tê-la impediria a tragédia?. Havia dois alvarás que sustentavam a presença da pousada. E que licença seria essa, já que o próprio governo do Estado autorizou a ampliação de construção nas encontas em junho?
De mais a mais que má fé pode haver se os proprietários da pousada perderam a filha? Quem garante também que a licença ambiental não teria sido obtida lícita ou ilicitamente?
Vamos refletir e denunciar a ação do governo, da imprensa e dos oportunistas que ficaram fora destes dois grupos, e agir para combater novas más notícias de ano novo, de meio ou final de ano. É isso.
Gislene Bosnich

Um comentário:

Bianca disse...

Adorei o blog Profª Gislene muito bom Parabéns

Contra a barbárie

Público-alvo: adolescentes
Motivar, impulsionar, levar à reflexão, levar à transformação consciente, coletivo sem anular o indivíduo.
O blog está disposto da seguinte maneira. Na coluna à esquerda estão disponíveis textos gerais, alinhados por série.
Também há slides de fotos de espaços culturais registradas por mim e sites sobre educação e saúde.
Já na coluna central estão as postagens. Postagens são mensagens que escrevo e envio sobre algum assunto atual e não necessariamente relacionado ao que estamos estudando. Todas as postagens podem ser comentadas, basta clicar em comentários. Aí você escreve sua opinião.
As postagens antigas estão alinhadas na coluna da esquerda. Por exemplo, o blog começou dia 30 de abril de 2008. Basta ir até arquivo do blog e procurar o mês e a data.
Voltando... na coluna central também há vários links que informam sobre possibilidade de consulta para estudo. São sites idôneos de entidades, em geral, públicas ou reconhecidas pela seriedade. Também há outro conjunto de links que agrupam espaço culturais.
Para os professores, o site dispõe de um link (sala dos professores) com textos sobre educação veiculados na mídia eletrônica, e também um canal de contato; o e-mail: contraabarbarie@gmail.com

Gislene Bosnich

Joe Sacco: o quadrinista com veia de historiador

(Restrito aos estudantes da EMEF Jackson de Figueiredo. Qual a programação de TV a que você assiste? (clique em apenas uma alternativa)

Simpsons - Bart e o Transtorno do Déficit de Atenção

Enquanto é possível... aproveite a vida.

A verdadeira história da bulímina e da anorexia

Gruipe Suína - Animação instrutiva

Melhores imagens (Destinado aos alunos)

Se você gosta de fotografar a cidade de São Paulo, envie sua foto para contraabarbarie@gmail.com ; ela pode figurar no blog.
Não valem imagens de pessoas com close no rosto. Mas se for multidão, tudo bem. A idéia é divulgar a cidade e uma forma diferenciada de enxergá-la. Procure inovar os ângulos de ver São Paulo.
Participe!
Gislene Bosnich

Concurso para os alunos

Concurso para os alunos
Qual o nome desta famosa praça? E qual famoso episódio teve início nela? (envie um e-mail contendo a resposta para contraabarbarie@blogspot.com)

Classe Média - Max Gonzaga e Banda Marginal (Leia postagem do dia 20 de julho)

Loading...

Seguidores

O Analfabeto Político - Bertolt Brecht

O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nasce a prostituta, a criança abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo.
Nada é impossível de Mudar. Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual. Suplicamos expressamente: não aceiteis o que é de hábito como coisa natural, pois em tempo de desordem sangrenta, de confusão organizada, de arbitrariedade consciente, de humanidade desumanizada, nada deve parecer natural nada deve parecer impossível de mudar.
Privatizado. Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar e seu direito de pensar. É da empresa privada o seu passo em frente, seu pão e seu salário. E agora não contente querem privatizar o conhecimento, a sabedoria, o pensamento, que só à humanidade pertence.

Uma chance à Humanidade

Ser trabalhador nunca foi fácil. Ser mulher trabalhadora então ainda é mais complicado.
Este blog é uma maneira de não desistir de procurar formar trabalhadores críticos e que vão buscar transformar este mundo numa sociedade sem classes, sem exploração em que cada ser humano possa desempenhar o que desejar sem que isso signifique um crime.
Gislene Bosnich

Visitante